Quem é Maria do Rosário? | Politicos Do Brazil
Quem é Maria do Rosário?
Por admin
13/11/2016

Se tem uma figura que causa polêmica e constrangimento no mundo político brasileiro, essa figura tem a alcunha de Maria do Rosário Nunes, ou para os íntimos apenas Maria do Rosário.

Essa senhora tem um “poder” inacreditável de fazer inimizades em todas as esferas da politica. Desde o porteiro do prédio até o presidente da Câmara dos Deputados. É uma figura realmente intragável.

Apesar de ter um nome santo, ela é a verdadeira Bruxa do 71 (alô fãs do Chaves).

Pra quem não conhece muito ou pouco ouviu falar dessa cidadã, segue um breve resumo logo abaixo. Trecho extraído do Wikipedia.

“Maria do Rosário Nunes nasceu em Veranópolis (RS) no dia 22/11/66. Ela é uma professora de profissão e politica brasileira. Atualmente é deputada federal pelo RS pelo PT, mas já foi do PCdoB, ambos partidos comunistas. Foi ministra da secretaria especial (?) de direitos humanos no governo da ex presidente Dilma Rousseff. Começou sua carreira politica como vereadora em Porto Alegre no ano de 1993, contabilizando até o presente momento 23 anos de vida pública…”

Como se pode ver nesse pequeno texto, a senhora Maria do Rosário praticamente nasceu na politica e tem isso como uma verdadeira profissão, apesar de não ser, assim como falamos nesse artigo.

Por ter sido ministra dos direitos humanos (?) na gestão Dilma, a deputada geralmente é confundida como sendo uma pessoa que preza a vida humana e abomina qualquer ato que venha a ferir a dignidade do (a) cidadão (ã), mas infelizmente na prática não é isso que acontece…

Ela ficou nacionalmente conhecida durante o caso Champinha. Pra quem não lembra, esse cidadão foi o responsável pelo duplo homicídio de um jovem casal na Grande SP. Ele e seus amigos mataram sem dó nem piedade um jovem casal com uma faca cega. E no caso da moça, ela ainda foi cruelmente estuprada pelo bando. O caso chocou o país pela brutalidade e total falta de sentimentos pela vida humana.

Pois bem… qualquer pessoa com um pouco de discernimento diria que ele e os comparsas mereciam no minimo prisão perpétua, certo? Mas a digníssima deputada foi ao contrário das opiniões sensatas e disse que Champinha era apenas uma “criança” (ele tinha 17 anos na época) e era vitima da sociedade, quase que praticamente dando um motivo torpe para praticar tal ato. Inacreditável.

O mundo ficou boquiaberto com a defesa insana que a deputada fez do assassino. Isso inclusive gerou uma briga histórica com Jair Bolsonaro. Jair criticou a atitude da “colega” no plenário da Câmara e ela, ensandecida, o acusou de ser estuprador. O deputado, enraivecido, disse que não a estupraria porque ela não merecia. Claro, ele disse isso num momento de raiva, afinal ser chamado de algo que não é, deixa qualquer um louco. Mas ele deveria ter feito o contrário. Como tinha a gravação, bastava ele entrar com recurso para cassar o mandato da deputada por decoro ou qualquer outra coisa que o valha. Enfim, no final das contas foi ela quem o processou. E o processo corre na justiça parlamentar. Provavelmente não dará em nada, mas aquele que deveria ter sido processado foi quem processou. Total inversão de valores.

Outra polêmica envolvendo a deputada ocorreu em 2010, mas que só ficou pública alguns anos depois. O jovem Bruno Mattos foi vitima de um assalto que acabou deixando-o tetraplégico. Uma tragédia sem precedentes na vida de qualquer pessoa, não é mesmo. Isso causaria revolta em qualquer pessoa com um pouco de coração, certo? Mas não para Maria do Rosário.

Já integrante da Secretaria Especial (?) dos Direitos Humanos, a hoje deputada além de nem ao menos ir dar uma força para o rapaz, foi a TV fazer a defesa do bandido responsável pela crueldade. É preciso dizer que esse bandido já tinha 2 mortes nas costas aos 16 anos!!! Uma verdadeira aberração defender um meliante desse naipe.

Abaixo temos um vídeo emocionante feito pelo próprio Bruno. Assistam e prestem muita atenção no seu depoimento:

Nem vamos mencionar aqui que a deputada foi contra o impeachment de Dilma Rousseff, mesmo porque ela sendo do PT não poderia se esperar algo diferente. Ainda mais vindo de uma pessoa que defende bandidos escancaradamente. Isso foi apenas uma brisa diante das muitas tempestades causadas por essa mulher na política.

Diante dos fatos expostos aqui, pode-se concluir que Maria do Rosário é a representante dos direitos humanos na Câmara dos Deputados. Mas, infelizmente, não são os direitos humanos das pessoas de bem e sim daquelas que representam perigo letal para a sociedade.

Soma-se ao fato de, além da defesa do indefensável, ela apoia ditadores ao redor do mundo, tais como Maduro, Fidel e etc. Mas ai é até uma questão ideológica, visto que ela é de um partido costumeiramente envolvido com tais situações.

A penúltima polemica envolvendo a deputada ocorreu na semana que passou.

A noticia que foi veiculada sobre o policial motorista de Uber que matou 3 bandidos que tentaram assaltá-lo foi amplamente discutida nas redes sociais. Um perfil falso da deputada no Facebook dava conta de que ela estaria lamentando a morte dos 3 bandidos e “pedindo” a morte do policial.

Isso foi o bastante para o deputado estadual Cabo Julio (MG) criticar duramente a deputada, ao ponto de chamá-la de vaca!

Obstante o fato dela realmente depor a favor da bandidagem, dessa vez ela não teve culpa. A noticia era fantasiosa e o deputado acabou falando em cima de uma mentira.

É preciso salientar que ela disse em sua conta oficial no Facebook que a noticia é mentirosa, mas conhecendo o histórico dela, tem muita chance dela ter dito isso realmente em off, ou seja, em sua vida particular. Alguém duvida?

A vida de Maria do Rosário, que se funde com sua vida política, é algo que não serve de exemplo pra ninguém. Se algum dia você que está lendo esse artigo resolver entrar para a política, não tenha essa senhora como exemplo. Não. Ela é justamente o contrário do que a boa política prega.

Em breve, um próximo artigo. Até lá!

Um blog que fala de política, que não tem rabo preso com partido algum e apenas transmite as noticias cotidianas da política nacional e internacional.
Todos os direitos reservados - 2014 - 2017