Feminina sim! Feminista jamais! | Politicos Do Brazil
Feminina sim! Feminista jamais!
Por admin
20/03/2017

Quando DEUS criou o homem, ele precisava de alguém pra lhe fazer companhia no Jardim do Éden. Foi ai que ELE fez a mulher, o ser mais perfeito já criado.

Por favor, aqueles que acreditam em teorias da criação da humanidade, que o homem veio do macaco, etc, peço que esqueçam isso pois o mote do artigo não é exatamente esse. Continuem lendo e entenderão.

Pois bem, a mulher é sim a perfeição em forma de criatura divina. E como é lindo ver uma mulher que exala sua feminilidade, que seja delicada quando necessária e forte quando precisa, que lute sim pelos seus direitos, mas sem esquecer jamais que lutar pelos direitos não é renegar ao terceiro plano o quão lindo é o seu papel na sociedade humana.

As mulheres que estão lendo esse artigo, entendam que não estamos de forma alguma subjugando a mulher, achando que ela tem que ser submissa ao homem, que abaixe sua cabeça quando o homem falar etc e tal. Não! Estamos mencionando exatamente o contrário, porque de uns tempos pra cá um fenômeno vem tomando conta da nossa sociedade, em especial de países onde a esquerda ainda teima em plantar sua semente na mente de algumas mulheres que se deixam levar pela sandice dessa gente ignorante e abjeta.

O fenômeno em questão é o tal feminismo.

Mas que raios é esse feminismo? Oras, vamos esmiuçar do que se trata essa palavra até pequena, mas que vem causando estragos na cabeça de algumas mulheres, repetimos, que se deixam levar pela ignorância da esquerda.

“As origens do feminismo brasileiro se encontram no século XIX. A constituição de 1891 não excluia o direito de votos as mulheres, simplesmente porque na cabeça dos constituintes a mulher não era vista como um indivíduo dotado de direitos eleitorais. Na mesma constituição, a politica era vista como algo desonroso para a mulher. Alguns movimentos foram importantes para o avanço na luta pelos direitos das mulheres, entre eles a greve de 1917, o surgimento do Partido Comunista do Brasil (1922) e a realização da Semana da Arte Moderna em SP. Em 1919, Berta Lutz, considerada uma das pioneiras do movimento feminista no Brasil, fundou a Federação Brasileira pelo Progresso Feminismo, que lutava pelo voto, pela escolha do domicilio e pelo trabalho das mulheres sem autorização dos maridos.” Fonte: WIKIPEDIA

Como se pode notar, o feminismo não é um fenômeno novo, muito pelo contrário, é bem antigo.

O que é novo é a total deturpação dos fundamentos do feminismo criado lá no século XIX. Se antes as mulheres tinham sim um motivo legitimo de luta, como por exemplo deixar de pedir autorização ao marido para trabalhar, hoje o “movimento” tomou contornos esquálidos, sem nenhum credenciamento até pelas mulheres que levantam a bandeira, tais como Mietta Santiago, Anésia Pinheiro Machado, Tereza de Marzo e Ada Rogato.

As feministas atuais extrapolam totalmente o direito conquistado pelas mulheres de verdade. Hoje elas saem as ruas para, acreditem, DIFAMAR totalmente a honra da mulher brasileira e mundial.

O alvo dessas “mulheres” é bagunçar, quebrar, desonrar e deixar a honra e moral das mulheres “mais baixo” que barriga de cobra. Não se engane você, mulher que está lendo esse artigo, que porventura essas cidadãs lutam por direitos “marginalizados” das mulheres da atualidade. Nada disso!

Essas pessoas querem apenas chamar a atenção de alguma maneira, elas não se importam com o numero de mulheres que morrem todos os dias vitimas de violência domestica, estão pouco se lixando da maneira como as mulheres são tratadas ainda em diversos rincões do nosso país, não querem nem saber o numero estrondoso de mulheres que são diariamente espancadas por seus companheiros e muito menos se importam em procurar encontrar um meio legitimo e inteligente de inserir ainda mais a mulher na sociedade. Atenção: a mulher está inserida na sociedade civil, politica e militar há muito tempo, mas pra elas isso pouco importa, já que não é o motivo de suas “revoltas” em diversas partes do mundo, inclusive no Brasil.

tiposfeministas

Suas bandeiras são estapafúrdias e não cabem mais num mundo como o que vivemos no século XXI. Sair nas ruas com os seios de fora, com dizeres do tipo “meu corpo, minhas regras” é de uma canalhice, de uma ignorância ao extremo (opa, sem querer fizemos menção a extrema esquerda) e só ratifica a ideia de que são apenas massa de manobra da esquerda mundial.

Ah, mas isso é feito por mulheres de todo o mundo, não tem como saber se são de esquerda, direita, centro, norte, sul, leste ou oeste… oras, meu pequeno curumin, evidente que são orquestradas pela esquerda. Basta ver os politicos que fazem coro apoiando essas imbecilidades.

Podemos citar em se tratando de Brasil, Jean Wyllys, Maria do Rosário, Vanessa Grazziotin, Gleisi Hoffmann, Lula, Dilma (que inclusive usava o termo presidenta apenas para posar bem frente as mulheres), Eunice Guerra, Luciana Genro, Lindbergh Farias, entre outros.

Podemos citar também, fora da esfera política, algumas “personalidades” da musica, televisão, tais como Bela Gil, Preta Gil, Fernanda Lima, Regina Cazé, Fátima Bernardes, Daniela Mercury, Valesca Popozuda, Maria Gadú, Thammy Miranda (que é mulher, queiram ou não)…

Outra questão levantada pelas feministas é IMPOR a sociedade a aceitação da igualdade de gênero. Já fizemos um artigo sobre o assunto, onde mostramos o quão maléfico isso é em nossa sociedade. Leia AQUI.

Tudo que se quer ganhar na força, tende a dar errado. E assim é visto essas feministas de hoje. Se outrem elas conseguiram seu intento usando mais as palavras do que o muque, hoje elas se concentram aos montes para peitar inclusive as forças policias ao redor do mundo.

Sem falar também da total falta de respeito com as religiões alheias, quando elas vão ao Vaticano praticar atos libidinosos em frente a residência oficial do Papa. Nas manifestações LGBT de SP, mostram isso também sem o mínimo pudor e vergonha na cara. Fazem e não se importam com as consequências, simplesmente porque se acham no direito de “expressarem suas opiniões”, mesmo que isso venha ferir psicologicamente aqueles que não compactuam com suas ideias megalomaníacas.

A falta de inteligência por parte dessas mulheres é tão exacerbada que inventaram até um termo para o assassinato de mulheres. Um tal de FEMINIcidio. Tudo para criar um abismo ainda maior entre as mulheres e homens. Pra elas, o HOMIcidio é um termo masculino e fazia-se necessária essa diferenciação. Uma baita cretinice, no mínimo. Era necessário isso? Provavelmente não. Mas foi feito.

Algo que acreditamos é o seguinte: a mulher não precisa ter essa similaridade com o homem. Por que? Porque simplesmente a mulher é melhor que o homem. Já citamos aqui, a mulher é o ser divino criado de maneira espetacular pelo senhor DEUS, obstante sua crença.

O termo machismo, que segundo elas, coloca os homens no mesmo balaio (um erro grotesco), vem nessa mesma toada. Todo homem que bate ou mata uma mulher, fez isso porque é machista e não aceita o “empoderamento” da mulher. Mas elas se deram conta de que esses homens são apenas e simplesmente bandidos e canalhas???? Por que elas querem colocar todos no mesmo balaio??? Isso não existe!!!! Seria a mesma coisa que dizer o seguinte: toda mulher é puta, visa apenas o dinheiro e quer subir na vida sem esforço! É certo isso??? Evidente que não!!! Generalizar é uma burrice sem tamanho que não pode ser admitida jamais!

O termo feminina é lindo. A mulher, poderoso ser divino, é maravilhosa e não pode ser jogada aos leões porque existem feministas que emporcalham a imagem da mulher pelo mundo afora.

Aquelas criaturas bizarras que saem mostrando os seios, geralmente são bem feias esteticamente falando, que desprezam a religião de outras pessoas, que ignoram sumariamente as forças policias do país, que dizem falar por todas as mulheres do mundo, essas não representam as mulheres e jamais irão representar. Tenham certeza disso, mulheres de verdade do Brasil e do mundo.

Em breve, um próximo artigo. Até lá!

Um blog que fala de política, que não tem rabo preso com partido algum e apenas transmite as noticias cotidianas da política nacional e internacional.
Todos os direitos reservados - 2014 - 2017