O socialismo destruiu a Venezuela! | Politicos Do Brazil
O socialismo destruiu a Venezuela!
Por admin
10/07/2017

Se você não esteve em Marte nos últimos meses ou preso em alguma penitenciária de segurança máxima americana, sem direito a nenhum tipo de comunicação com o mundo exterior, provavelmente tem acompanhado (com tristeza) o que vem acontecendo na Venezuela, nosso vizinho socialista.

O país está megulhado num caos sem precedentes em sua história, com altos indices de desemprego, fome, protestos sangrentos, mortes, enfim, virou uma bomba relógio que não parece ter data para ser desligada.

Obstante o fato de organismos internacionais, como a ONU, terem virado as costas para seus habitantes, a grande verdade é que o mundo acompanha atônito ao que vem acontecendo naquelas terras. Mas é preciso deixar claro que tais acontecimentos, por mais tristes que possam ser, já eram meio que “esperados” pela comunidade internacional.

O modelo de governo implantado primeiro por Hugo Chavez e seguido a risca por seu sucessor, Nicolás Maduro, é o grande e único culpado por toda confusão em que o país se meteu.

Pra quem vê o que está acontecendo em solo venezuelano, pode pensar que o país sempre foi essa bagunça, mas não… por mais maluco que possa parecer, a Venezuela já foi a maior economia da América Latina. Surpreso com essa notícia? Continue lendo…

Antes do primeiro mandato de Hugo Chavez, que se deu em 1999, nosso vizinho era sim considerado o país mais rico de toda América Latina. Mesmo com uma inflação chegando a casa dos 3 dígitos, o petróleo sustentava as pernas daquela economia. Mesmo com a tentativa de golpe no governo chavista (durou apenas 2 dias), até 2005, segundo estudos internacionais, a Venezuela tinha o maior PIB (produto interno bruto) entre todos nossos vizinhos latinos. Se levarmos em conta o tamanho do país, esse é um feito digno de nota A em qualquer trabalho escolar.

Em 2014, já sem Chavez e com Nicolás Maduro no poder, o PIB venezuelano caiu para o 5º lugar dentre as nações latinas, ficando atrás de Brasil, Chile, Cuba (?) e Uruguai, não necessariamente nessa ordem.

Hoje o que se vê na Venezuela é a síntese do socialismo levado a 50ª potência, servindo de modelo para tudo que os governantes não podem e não tem direito de fazer ao seu povo. O Estado como centro de tudo, jogando a população as moscas e tratando-os como inimigos. A completa falta de respeito com o ser humano, deixando-o a margem da sociedade, transformando-o no mais completo e desfigurado representante de um sistema de governo corrupto, miserável e completamente destrutivo. Assim é a Venezuela hoje!

socialismo_venezuela

Nos últimos meses, o que se tem são pessoas famintas, comendo lixo direto do caminhão, enfrentamentos violentos (que geraram várias mortes) e o completo descaso com a liberdade individual. O país vive uma ditadura de Nicolás Maduro. Se com Hugo Chavez a desgraça estava sendo esboçada, hoje ela virou um retrato fiel, uma obra prima do que o totalitarismo, a mão forte e violenta do Estado pode fazer contra aqueles que se “voltam” contra.

E qual o único “pecado” que estão cometendo? Querem um país livre. Querem uma democracia. Querem poder exercer seu direito de votar e traçar os rumos do país. Utopia? Não. Afinal, nosso vizinho já foi assim. Voltar ao passado pode e vai significar para o povo venezuelano, além do sabor da nostalgia, a certeza de que dias melhores estão por vir. E que o futuro, sem Nicolás Maduro, é plausível e irremediavelmente mais glorioso.

Por isso, o recado que temos para o povo venezuelano é: não desistam! Lutem por seus direitos! Lutem para deixar uma pátria livre e mais esperançosa para as gerações vindouras!

Nota: Nesse artigo, fizemos uma entrevista com um venezuelano que deixou sua terra e mora hoje no Brasil. Ele conta tudo, em detalhes, sobre quão maligno é o socialismo venezuelano.

Em breve, um próximo artigo. Até lá!

Um blog que fala de política, que não tem rabo preso com partido algum e apenas transmite as noticias cotidianas da política nacional e internacional.
Todos os direitos reservados - 2014 - 2017