Os sindicatos precisam ser extintos! | Politicos Do Brazil
Os sindicatos precisam ser extintos!
Por admin
21/07/2017

A história do sindicalismo no Brasil data de alguns séculos atrás. Precisamente (ou não), é uma história que vem desde o século 16., tendo seu inicio no porto de Salvador, que na época era o maior das Américas.

O sindicalismo passou por inúmeras transformações ao longo dos tempos. Teve sua “glória” na época de Vargas, com a criação do Ministério do Trabalho e criação da lei sindical de 1931 pelo então senhor Lindolfo Collor (esse sobrenome sempre atrapalhando os rumos do país), o 1º ministro do trabalho. Com essa lei foi oficializado os pilares do sindicalismo no Brasil.

Em 1939, com o decreto lei 1402, tivemos o enquadramento sindical, que tinha a função de aprovar ou não a criação de sindicatos. Esse órgão era vinculado ao Ministério do Trabalho. Nesse mesmo ano, criou-se o imposto sindical.

No final dos anos 70, com o PT se tornando um partido politico oriundo de um sindicato e seu maior lider tomar uma proporção descomunal e fora de todo propósito, os sindcatos começaram a ter uma força que até então não tinham.

Na figura de Luis Inácio, galgado a presidencia em 2003, o sindicalismo no Brasil fugiu totalmente do controle, pipocando aqui e ali entidades de todos os tipos, dos mais bizarros possíveis, chegando ao cumulo de ter sté sindicato para sindicato de algum sindicato. Confuso? Mas é isso mesmo.

Todos, sem exceção, criaram músculos e hoje participam ativamente das decisões que interferem na vida de milhares de trabalhadores pelo Brasil afora. É preciso dizer o seguinte: mesmo que você não seja sindicalizado e deteste sindicatos, sua vida será “transformada” por decisões que venham daquelas mentes doentias.

Como podem notar, a criação do imposto sindical tem quase 80 anos. Falamos sobre ele nesse artigo e a aberração que se tornou o mesmo, que serve apenas e tão somente para dar mordomias aos sindicalistas e ferir a integridade dos trabalhadores, que não tem o direito de opinar se querem ou não dar essa contribuição a entidades que, em 99% das vezes, não representam como deveriam seus afiliados.

sindicalismo_safados

A “briga” para enterrar esse imposto é antiga. A sociedade se envolveu totalmente com o tema e um deputado, Paulo Martins, encabeçou a luta e a vitória acabou vindo com a reforma trabalhista.

Apesar das centrais sindicais promoverem badernas em todo o país, segundo eles por causa das reformas trabalhistas, o grande mote desse alvoroço tinha apenas um nome: o imposto sindical.

Bom, ele acabou sendo extinto. Quer dizer, não extinto totalmente, mas segundo a reforma, agora o trabalhador é quem decide se quer pagar ou não esse maldito imposto. O governo de Temer merece os parabéns? Nao. Por que? Continue lendo e você saberá..

Era esperado que as centrais sindicais, entre elas a Farsa Sindical do deputado Paulinho, a CUT de Vagner Freitas, a CTB que é ligada a CUT e outras centrais menores (mas que sugam o dinheiro do mesmo jeito), não iriam se conformar em perder essa mamata e partiram para ofensiva contra o governo.

Por mais bizarro que possa parecer, a briga entre as centrais e o governo pela volta do imposto sindical está prestes a ter um vencedor. E infelizmente, para a grande parte da população, o vencedor não parece que será o governo.

Segundo uma noticia vinculada hoje no site Reaçonaria, para desespero das pessoas que querem a moralidade de volta ao país, a volta do imposto sindical está em estágio avançcado no governo do presidente Temer.

De acordo com a noticia, o presidente está disposto a editar uma MP (medida provisória) onde os sindicatos fariam assembleias nas empresas e se a maioria optasse pela volta da contribuição, todos os trabalhadores pagariam o tributo. Em bom português, tudo voltaria a ser como antes, no reino da Bananalândia.

A Folha de São Paulo diz que os deputados da base (que votaram pelo fim do imposto) prometem fazer uma rebelião caso o imposto sindical volte por MP. A questão é que, sendo por MP, apenas o próximo presidente poderia derrubar. E levando em conta a mentalidade política, a chance de ser derrubada é a mesma do Saci cruzar as pernas.

A questão foi definida em uma reunião, onde estavam presentes Michel Temer e os lideres da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Farsa Sindical, União Geral dos Trabalhadores (UGT) e Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB). Também estavam presentes os deputados Jovir Arantes (PTB), Roberto de Lucena (PV) e os ministros do trabalho, Ronaldo Nogueira, e da Casa Civil Eliseu Padilha. Como podem ver, só pessoas extremamente preocupadas com a classe trabalhadora, não é mesmo?

O que chama atenção é que eles se reunem para dar uma facada em todos os trabalhadores, mas não vemos esse mesmo entusiasmo em criar mecanismos para geração de empregos num país com o número recorde de 14 milhões de desempregados. É no minimo uma situação constrangedora e que faz uma pessoa, com o minimo de QI possível, pensar no seguinte: essas pessoas estão preocupadas com quem realmente produz riquezas nesse país? A resposta é não!

É por isso que levando em conta a história do sindicalismo no Brasil, desde os primórdios até ver no que ele se transformou nos dias atuais, é que vem a mente uma questão: será que precisamos mesmo desses sindicatos? Será que o trabalhador se sente representado por instituições que não servem para nada, a não ser cabide de empregos para pessoas inescrupulosas e desprovidas de caráter? Será que um sindicato que realmente pensa no trabalhador, se reúne na calada da noite com um presidente da República exclusivamente para pedir a volta de um imposto que serve para engordar os cofres dessas instituições, fazendo assim com que seus presidentes e representantes levem vidas nababescas, muito superior a média de vida que os trabalhadores de verdade levam?

Se você, caro (a) leitor (a), um dia já precisou dessas instituições, sabe que todas as respostas para as perguntas acima é uma só: não!

A grande verdade é a seguinte: mais do que exterminar com o imposto sindical de vez, o que precisa ser feito é passar um pente fino no sindicalismo brasileiro. É inadmissível que tenhamos aqui mais de 15 mil sindicatos e mais ainda que a única preocupação deles é receber dinheiro de seus filiados e do governo, mas nada fazer em prol do trabalhador brasileiro.

Numa situação mais radical, a saída seria a extinção por completo de todos os sindicatos. O cenário seria o seguinte: trabalhadores e empregados negociando entre si, sem intermediários. Utopia? Pode ser, mas seria um cenário perfeito!

Em breve, um próximo artigo. Até lá!

Um blog que fala de política, que não tem rabo preso com partido algum e apenas transmite as noticias cotidianas da política nacional e internacional.
Todos os direitos reservados - 2014 - 2017