Por que a CNBB tem tanta admiração pela esquerda? | Politicos Do Brazil
Por que a CNBB tem tanta admiração pela esquerda?
Por admin
24/07/2017

*Antes de mais nada, deixamos claro que esse artigo não é uma critica a religião católica, em hipótese alguma.

A religião está presente no mundo desde sua criação. Todo mundo sabe disso. E todos sabem também que muitas pessoas matam e morrem por causa dela. Ou pelo menos acham que é…

No Brasil, a grande representante da religião católica é a CNBB, Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, é lá onde se reune a nata da religião predominante em nosso país.

Desde sempre a religião tem papel importante na vida política de um país. Basta fazer uma pesquisa rápida na internet e vocês verão vários exemplos de como eles se posicionam, seja de maneira favorável ou desfavorável ao governo regente. Claro que isso não é uma exclusividade de nosso querido país, isso é algo recorrente em todo mundo.

Mas o que chama muita atenção aqui é o fato da CNBB invariavelmente se posicionar favoravelmente à esquerda. Dizemos que chama atenção porque eles não conseguem nem esconder sua predileção pelo sistema de governo que só trouxe fome, mortes e destruição em todos os países onde ele foi implantado.

E é mais bizarro ainda quando se tem na história mundial um livro que muitos esquerdistas consideram como uma bíblia. O famoso “Manifesto Do Partido Comunista” de Karl Marx e Friedrich Engels trouxe à tona algumas considerações que fixaram na mente daqueles que se posicionam sempre na esquerda política. A mais assustadora diz respeito a religião. Para Marx e Engels, os comunistas DEVEM SER ateus, ou seja, não acreditar na existência de um ser divino. Oras, qualquer um que algum dia frequentou uma igreja sabe que a existência de DEUS é falada e refalada a todo momento.

Partindo dessa premissa, como uma entidade que representa os católicos no Brasil podem se posicionar à favor do regime esquerdista, que tem raízes justamente em Marx e Engels???

Convenhamos que isso não tem o menor fundamento e beira o ridículo!

cnbb_reducao

Posicionar-se na política é perfeitamente normal. Claro que é! Mas jamais apoiar um regime assassino. A maneira descarada como alguns padres apoiam a esquerda brasileira, principalmente PT/PSOL/PCdoB e outros menos relevantes, chega a beirar o mau caratismo. Concordam?

Apoiar Lula e sua trupe, apoiar greves incendiadas pela esquerda, apoiar assentamentos violentos de “sem terra”, apoiar sindicatos que não estão nem ai com os trabalhadores, apoiar a corrupção desenfreada que se instalou no Brasil, são atitudes que jamais poderiam vir de seres humanos que deveriam se preocupar em praticar o bem. É uma aberração sem precedentes.

Mas isso não deveria causar tanta estranheza. Afinal, pra quem não se lembra, a igreja foi favorável as Diretas Já de 1984. E precisamos lembrar aqui quem eram as “estrelas” daquele movimento? Pessoas como Lula, FHC, Paulo Maluf, Brizola, Montoro e outros menos citados, ou seja, apenas e tão somente os responsáveis diretos pela situação catastrófica que vivemos hoje em dia.

Hoje o mote é ir contra a reforma trabalhista. Logo ela que sinalizou pelo fim do imposto sindical, umas das grandes bandeiras de quem? Justamente dos sindicatos, representantes históricos da esquerda nacional.

E a história do padre Julio Lancelotti (acusado de pedofilia) que criticou Bolsonaro em plena missa? Isso é inadmissível! Como dissemos no começo do artigo, pode se posicionar sim, mas fazer isso em uma missa, quando ele deveria se ater apenas e tão somente aos ensinamentos religiosos? Será que o Vaticano ficou sabendo disso?

A esquerda brasileira contaminou toda sociedade. É como pregou Lenin “é preciso combater a religião, eis o ABC do comunismo”. Ou ainda “DEUS é o inimigo pessoal da sociedade comunista”. Ensinamentos levados ao pé da letra pela CNBB. Infelizmente…

Em breve, um próximo artigo. Até lá!

Um blog que fala de política, que não tem rabo preso com partido algum e apenas transmite as noticias cotidianas da política nacional e internacional.
Todos os direitos reservados - 2014 - 2017