Juiz recebeu 500 mil de salário no mês. A culpa é dele? | Politicos Do Brazil
Juiz recebeu 500 mil de salário no mês. A culpa é dele?
Por admin
15/08/2017

O Brasil tem milhares de descalabros em sua pobre história. São algumas distorções que deixariam até os maiores ladrões da história, tais como Al Capone e 9 dedos, totalmente no chinelo.

O cume da piramide social mostra que nosso país é o campeão mundial e imoral no quesito de distribuir muito para poucos e pouco para muitos. São situações bizarras onde um “simples” copeiro no Congresso Nacional recebe até 5x mais que um professor da rede publica de ensino. Muitas vezes, e isso não é nenhum preconceito, alguns desses copeiros nem chegam a ter o fundamental completo. Mas pensando bem, até ai já tivemos um presidente na mesma situação, não é mesmo?

E não é novidade pra ninguém que a maior concentração por metro quadrado fica exatamente no funcionalismo público. As aposentadorias exorbitantes, a facilidade de não ter pressão no emprego, a estabilidade garantida por lei, onde só é dispensado por briga ou se matar alguém dentro da repartição, vejam que mesmo roubando o dinheiro público, a maioria não vai pra trás das grades. Um completo absurdo.

Continuando…

O judiciário brasileiro é um grande ninho de serpentes que comem nosso dinheiro com uma voracidade sem tamanho. São salários muito fora da curva, maiores até do que o salário do “chefe” da nação. Algum outro país tem essa bizarrice???

O apogeu dessa loucura aconteceu essa semana. Uma noticia abalou o Brasil de tal jeito que muitas pessoas se pegaram chorando pelos cantos, ou dentro de algum banheiro. Muitos dizem que isso não é justo e criticaram ferozmente o juiz Mirko Vincenzo Giannotte, da 3 vara da comarca de Sinop (cidade onde nasceu o ex goleiro Rogério Ceni).

Pra quem não leu a respeito, o dito juiz recebeu de salário no mês corrente a quantia irrisória de R$ 503, 9 mil reais. Leram direito? Pois vamos repetir… salário de R$ 503,9 mil. Sim, é isso mesmo. Mais de meio milhão de reais em apenas 1 mês.

É um absurdo? Claro que é. Mas vejam bem, não tem nada de errado nisso. Ele está recebendo um salário dentro da lei. Segundo consta, o pagamento extra é referente a um periodo no qual o magistrado atuou em uma comarca de porte maior, entre 2004 e 2009, e recebeu um salário menor do que a função exercida. Ou seja, está tudo dentro da lei.

Quando questionado sobre o ocorrido, o juiz foi taxativo e disse que “não está nem ai” para a repercussão negativa do fato. E realmente ele está certo!

O montante de meio milhão de reais pagos a uma única pessoa, num único mês, num país onde milhares de pessoas mal conseguem viver com menos de 1 salário minimo ao mês é praticamente um tapa bem dado no rosto de um cidadão honesto. Muitos pensam assim e execraram o juiz nas redes sociais.

Mas não… não vamos por esse lado. Nosso pensamento é o seguinte: ele recebeu um salário altissimo? Sim. Mas de quem é a “culpa? Dele ou de quem criou uma lei para favorecer os juizes desse país? Evidente que a culpa é de quem criou a lei.

Assim como temos leis absurdas advindas do período militar, tais como filhas solteiras de militares receberem uma pensão vitalicia, essa lei que deixa um juiz rico da noite pro dia é mais uma daquelas leis que fogem completamente da nossa realidade.

Somos um país pobre. Somos um país com índices alarmantes de desnutrição, falta de saneamento básico, educação, moradia, etc, etc, etc… e ai vem uma classe extremamente favorecida da nossa sociedade e dão esse tapa na cara dessas pessoas? Deixa realmente qualquer um irritadiço…

Mas vamos pensar antes de criticar alguém. O buraco é bem mais embaixo. Pra esse cidadão receber uma fortuna dessas, algum infeliz teve que assinar isso. Correto?

E você, caro (a) leitor (a), o que acha? O juiz tem alguma “culpa” nessa história toda? Deixem nos comentários. Valeu!

Em breve, um próximo artigo. Até lá!

Um blog que fala de política, que não tem rabo preso com partido algum e apenas transmite as noticias cotidianas da política nacional e internacional.
Todos os direitos reservados - 2014 - 2017