A vitimização das minorias! Absurdo! | Politicos Do Brazil
A vitimização das minorias! Absurdo!
Por admin
08/11/2015

Vivemos uma época estranha na sociedade brasileira. Explico…

As injustiças sempre fizeram e sempre farão parte do mundo moderno, na verdade, desde as épocas remotas sempre foi assim, sinceramente, sempre será. Não tem a menor chance disso um dia acabar, não acredito em utopias.

Só que, em se tratando de Brasil, isso chegou a niveis patéticos, porque não dizer incrivelmente ridículos.

As mulheres, crianças/adolescentes, negros, homossexuais e afins se queixam de serem perseguidos, de terem seus direitos tolhidos, são as chamadas “minorias”, o tema central desse artigo.

Vamos por partes…

Com a criação do ECA (Estatuto da Criança e Adolescente), as crianças/adolescentes adoram posar de vitimas da sociedade, dizem que são marginalizados, são vitimas de uma sociedade cruel e blá, blá, blá… aquela conversa mole dos politicos que apoiam as atrocidades que esses monstros mirins cometem por esse Brasil varonil.

Quem gosta muito de usar esse discurso enfadonho e mequetrefe são os representantes de alguns partidos como PSOL e PT. Alguns deles como a senhora Maria do Rosário, dona Benedita da Silva, senhor Jean Wyllys e senhora Luciana Genro são os maiores representantes dessa bravata, dessa falácia ridícula e sem noção.

O código penal juntamente com o ECA tornam inimputáveis (livres de punição) esses diabos mirins pelo menos até completarem 18 anos de idade. Antes disso, caso cometam algum delito eles são encaminhados a antiga FEBEM (hoje Fundação Casa) e ficam lá até os 18 anos, saindo com a ficha limpa, mesmo que tenham cometidos crimes cruéis e bárbaros como fez o Champinha.

champinha

Na opinião desses abestalhados, Champinha é vitima da sociedade, não teve chances na vida, cresceu desprovido de toda e qualquer assistencia do governo que eles chamam de omisso, curiosamente que muitos deles sendo parte desse governo. Contraditório, no minimo.

Evidente que isso é uma falácia, a pessoa tem em suas mãos o poder de escolher como será sua vida, o que ela fará de sua vida e onde nasceu, a família que nasceu não é e nunca será o fator primordial para tornar uma pessoa boa ou ruim. Conversa mole e descabida. Ou seja, mito desfeito.

Algum tempo atrás foi criada a lei Maria da Penha, uma lei que pune (ou deveria) punir severamente os companheiros que agridam ou até matem suas companheiras.

Evidente que a lei nunca pegou nesse país, por um simples motivo… nossas leis são antigas e nunca foram mudadas, e uma lei ESPECIFICA é claro que não iria emplacar. Sem falar que é uma lei com erros primários. Um exemplo: se o companheiro agride a mulher, o que fazem ? Simplesmente lhe dizem para ficar a uma determinada distancia da mesma e ele cumpre? Não! O mais correto seria deixar o vagabundo preso, sem direito à fiança. Ah, mas isso vai superlotar os presidios… problema do idiota que viverá numa cela apertada.

Mas precisamos deixar uma coisa clara… no Brasil são 56 mil mortes/ano e focar os esforços apenas e tão somente num nicho não é o correto, como fazem alguns parlamentares que insistem em levantar essa bandeira. Não, o correto é se esforçar para diminuir esse numero o máximo possível, certo?

Outra coisa que me espanta é, em pleno século 21, politicos bradarem aos 4 cantos que mulheres ganham menos que homens. Sinceramente eu não entendo porque insistem nessa história. Trabalhando em algumas empresas nunca senti essa diferença. Ao contrário, mulheres que fazem o mesmo trabalho e tem a mesma formação dos homens sempre ganharam a mesma coisa. Outro mito desfeito.

Somos um país formado por mistura de raças. Isso qualquer pessoa sabe. Não é nenhuma novidade.

Se é assim, por que alguns negros se fazem de vitimas na nossa sociedade? Qual o motivo?

Uma imbecilidade criada pelo governo petista é a famosa cotas raciais, da qual falamos no artigo anterior intitulado: “cotas raciais: a segregação invisivel da sociedade”

O PT se esforçou ao máximo para dividir o país num apartheid camuflado. Até o ex presidente Lula 9 Dedos, quando criou o Dia da Consciência Negra (um erro deplorável), disse que temos uma divida histórica com os negros. Isso soou como musica na cabeça de muitos que, sorrateiramente, se valeram disso para se fazerem de coitadinhos, de marginalizados pela sociedade e etc, etc, etc…

Claro, quando falamos isso não queremos dizer que não existe racismo. Infelizmente isso existe sim e não vejo, num futuro próximo, que isso acabe.

Agora, uma coisa é ter racismo e outra coisa é o negro achar que, por sua pele, ele sempre será inferior aos outros. Não! Isso não pode e nem deve passar pela cabeça de negros conscientes, que tem em sua mente que são todos iguais e todos tem direitos e deveres da mesma magnitude, que ninguém pode se achar inferior por ter nascido numa família pobre, morar numa favela e ser negro! Jamais!

Alguns artistas levantam burramente essa bandeira. Em sua maioria são os artistas de rap que cantam, segundo eles, as atrocidades cometidas pela sociedade em cima dos “pretos”. Quanta idiotice. Quanta ignorancia social e politica. Segundo esses artistas e alguns politicos, os negros são as principais vitimas de uma sociedade cruel e racista… por que ao invés de tocarem tanto nisso, eles não se preocupam em dizer que a nossa politica, os nossos politicos são os principais culpados por esse abismo que existe entre as classes sociais? Não seria o correto à ser feito?

Homossexualidade é um tema delicado e complexo. A homossexualidade não é algo novo, existe desde que o mundo é mundo, mas de uns tempos pra cá tomou proporções gigantescas, especialmente no Brasil.

Mas o foco não é a homossexualidade e sim a maneira como alguns fazem disso um escarcéu e um caminho para se acharem vitimas. Por que isso acontece?

Eles (sim, são eles) exigem (oi?) respeito por parte da sociedade. Acham que podem exigir isso porque são discriminados em todos os lugares. Mas isso é plausivel? Não!

O respeito, em todas as esferas da sociedade, se conquista e não se exige. Isso não pode ser tratado como algo obrigatório. Jamais!

Algum tempo atrás, em mais uma de suas manifestações LGBT, uma situação chamou muita atenção. Um travesti (ou sei lá o que seria) apareceu crucificada com os seios de fora. Claramente uma provocação aos católicos e ainda mais a Igreja Católica. Relembrem o fato aqui.

homossexual

Isso foi de um péssimo gosto. Uma afronta desnecessária e sem motivo. Algo assim fere totalmente os principios de civilidade e respeito mútuo. Pra que fazer isso? O que a Igreja e mais ainda os católicos tem a ver com a situação dessas pessoas? Eu, como um católico que sou, nada tenho a ver com isso e me senti desrespeitado.

Sem falar também que homossexuais são favorecidos em algumas situações, como na compra das casas do projeto Minha Casa, Minha Vida. Sim, é verdade. Não acreditam? Vejam aqui.

A vitimização é um assunto que deveria ser mais explorado em discursos feitos por politicos, por intelectuais, por programas de televisão e afins.

Não podemos aceitar que uma pessoa que se diz “minoria” aceite se fazer de vitima em nossa sociedade. Isso não ajuda em nada, ao contrário, só nos faz regredir socialmente. Nos fazem ver que jamais conseguiremos nos livrar do tal “complexo de vira-latas”, dito por Nelson Rodrigues.

Dissemos no começo que os politicos tem uma parcela muito grande nisso. Suas leis idiotas e imbecis servem apenas para propagar ainda mais essa vitimização.

O tratamento dado é ridículo. Os fazem cada vez mais posarem de coitadinhos e colocar a culpa sempre na sociedade. Oras, eu não tenho culpa nenhuma do que acontece com essas pessoas. Nenhuma! Por que tenho que ser taxado de culpado por algo que eu não fiz? Hein?

Onde terei essa resposta? Nenhum lugar, lógico. Todos se escondem nessas horas…

Até o próximo artigo!

Um blog que fala de política, que não tem rabo preso com partido algum e apenas transmite as noticias cotidianas da política nacional e internacional.
Todos os direitos reservados - 2014 - 2018