O politicamente correto é um porre! Muito “ismo” pra um país só! | Politicos Do Brazil
O politicamente correto é um porre! Muito “ismo” pra um país só!
Por admin
18/01/2017

Estamos vivendo tempos muito estranhos não só no Brasil, como em todo mundo

Especificamente no Brasil, de uns tempos pra cá (mais precisamente a partir de 2003), estamos vendo uma enxurrada de mimimi na nossa sociedade.

E todo esse mimimi tem em sua terminologia o grafismo “ismo”.

Nos referimos aquelas palavras que muitas pessoas usam para rotular algum acontecimento, nem sempre a palavra sendo usada de forma correta, apenas porque as pessoas não encontram um modo correto de relacionar algum acontecimento em si e usam essas palavras meio que a esmo. Jogam ao léu.

Você que nos acompanha, quantas vezes não ouviu ou leu em algum lugar usarem os termos “feminismo”, “machismo”, “racismo”, “vitimismo” e todo tipo de “ismo” que vem na cabeça em determinado momento? Muitas vezes, não? Temos também aqueles com terminação “fobia”, tais como “homofobia”, “gordofobia”, “heterofobia”, mas isso é assunto pra outro artigo.

Continuando…

Vamos estudar cada palavra pra termos uma ideia do que se trata oficialmente, depois dissecaremos como elas vem sendo usadas nos tempos atuais. Simbora?

Feminismo: doutrina cujos preceitos indicam e defendem a igualdade entre homens e mulheres; movimento que combate a desigualdade entre homens e mulheres; ideologia que defende em todos os aspectos a igualdade entre homens e mulheres.

Racismo: Preconceito e discriminação direcionados a quem possui uma raça ou etnia diferente, geralmente se refere à segregação racial; Comportamento hostil dirigido às pessoas ou aos grupos sociais que pertencem a outras raças e/ou etnias; Reunião dos conceitos que afirma existir uma hierarquia entre etnias e/ou raças; Sistema doutrinário ou político que estabelece a exaltação de uma raça, em detrimento das demais; sistema que afirma a superioridade de um grupo racial relativamente aos outros, preconizando, em particular, o isolamento destes no interior de um país (segregação racial) ou até visando o extermínio de uma minoria: o racismo anti-semita dos nazistas.

Machismo: Opinião ou atitudes que discriminam ou recusam a ideia de igualdade dos direitos entre homens e mulheres; Característica, comportamento ou particularidade de macho; macheza.Demonstração exagerada de valentia; Excesso de orgulho do masculino; expressão intensa de virilidade; macheza.

Vitimismo: Sentimento de ser vítima; sensação de quem está ou foi sujeito a opressão, maus-tratos, arbitrariedades, discriminação etc., geralmente de quem tem sempre essa percepção sobre o que lhe acontece: sua vida não avança porque o vitimismo não a deixa; Tendência a se vitimizar, a se fazer de vítima: país que não se responsabiliza por seus erros fica estagnado no seu próprio vitimismo.

Feitos os devidos esclarecimentos, agora vamos ver como essas palavras estão sendo usada nos tempos atuais em nosso país. Repetimos: isso ganhou força a partir de 2003. Quem acompanha bem a politica do Brasil vai ligar o ano com um acontecimento da época e se arrastou durante longos 13 anos.

O termo feminismo hoje é usado como forma pejorativa. Geralmente mulheres com dificuldades de relacionamento, fracassadas em suas vidas particulares, em seus relacionamentos amorosos, tem extrema dificuldade de interagir com o sexo oposto e acham que vão mudar o mundo com atitudes toscas e imbecis, tais como ficar com os seios de fora pelo mundo afora, muitas vezes com total falta de respeito, como a vez em que fizeram suas imbecilidades em pleno Vaticano, sabidamente um local extremamente respeitado pelos católicos do mundo todo e até os não católicos também.

Na verdade, elas não se importam nenhum pouco com as mulheres, em lutar pela igualdade de direitos entre homens e mulheres, o que elas querem e demonstraram com o passar do tempo que isso nada mais é do que um movimento puramente ideológico, de ramificações esquerdistas e totalmente voltado a quem faz parte do grupo apenas. Quem “ousar” trair o “movimento” é tido como persona non grata e pode até correr risco de vida. Se acham que estamos dramatizando, entrem em contato com Sara Winter e ela dirá como funciona essa “seita”.

Hoje o racismo é fortemente “discutido” em nosso país, apesar de não vermos até hoje alguém que ficou efetivmente preso por menosprezar alguém por causa de sua cor de pele.

Sim, o racismo existe e isso ninguém é idiota de negar ou ao menos duvidar. Ponto pacífico, ok?

Mas o que vemos hoje em nosso país é, digamos, um aumento escandaloso referente ao termo e que sinceramente, beira sim algo maquinado por ideologias políticas e que dão de ombros para os negros de nosso país.

Tanto é verdade que temos um feriado “dedicado” aos negros. Um feriado criado quando do governo Lula que serve apenas e tão somente para fomentar uma segregação que aparentemente se mostrava adormecida. Falamos sobre esse feriado num artigo do blog. Clique AQUI para ler…ou reler.

Hoje você não pode se referir a um amigo seu negro como “negão” que se alguém melindrado ouvir, pronto, é motivo para uma discussão ridícula que não tem fundamento algum e você ainda será taxado de racista. Tudo virou motivo para usar esse termo. Tudo.

Claro que temos casos extremos que não se adequam jamais ao mote do artigo, como o ocorrido com a cantora Ludmilla, que foi chamada de “macaca pobre” em um programa de televisão.

Isso é caso concreto de pessoas bestializadas e que não podem conviver em sociedade e ajudam a criar um ambiente ainda mais hostil, algo que evidentemente não precisamos e não queremos.

Mas como dizia Morgan Freeman, não é criando um “dia para o negro” que isso vai mudar. Vejam o que ele pensa sobre isso logo abaixo. Quanto mais se dá ibope para essas idiotices, mais elas irão se alimentar e crescerão como verdadeiros monstros.

morganracismo

Quando lemos em jornais, internet ou vemos na televisão manchetes do tipo: “mulher apanha do marido…”, “mulher é morta pelo marido…”, “mulher é humilhada pelo namorado…”, “mulher é destratada por homem…”, a primeira coisa que vem a mente da midia é que isso é caso explicito de machismo. Não!!!!!!

Essa falácia que muita gente abraça nos dias atuais só serve para botar lenha na fogueira. Situações como essas são criadas por pessoas que não podem viver em sociedade de jeito nenhum. É um erro muito grande levar isso como machismo porque assim se colocam todos os homens no mesmo balaio. E como dizia Nelson Gonçalves: “toda unanimidade é burra”.

Sem mencionar aquelas que empunham a bandeira de que todo homem é um estuprador em potencial. Isso é de uma canalhice e falta de cérebro que beira o absurdo. Quem diz isso, além de não respeitar os homens da família, coloca todos os homens no mesmo balaio. E como saber se todos são assim? Só se conhecer todos. Impossível, não acham?

Quem não lembra do caso onde a vencedora do Master Chef Profissional (Daisy) , segundo as feministas de plantão, foi “destratada” pelo Ivo quando esse a mandou “pegar uma vassoura e varrer o chão”. Nossa, o mundo caiu! Todo mundo dizendo que Ivo foi machista e querendo fazer da Daisy um simbolo do feminismo furreca. A própria Ana Paula Padrão bateu nessa tecla durante boa parte do programa, inclusive quando da entrega do troféu para a vencedora.

Felizmente todos os boçais caíram do cavalo, pois a própria Daisy não abraçou a causa do feminismo podre e não viu a atitude de Ivo como machismo, chegando a dizer que a cozinha é assim mesmo e se ela não se visse no mesmo nivel dos homens, ela não estaria nessa profissão. Palmas pra ela!!!

Agora, sem dúvida alguma, um dos piores “ismo” é o tal de vitimismo.

Quer coisa mais chata do que aquela pessoa que se faz de vitima em tudo? Aquela pessoa que se sente inferiorizada perante todas as pessoas, seja por motivo X ou Y? Isso é muito chato!

O vitimismo é uma “doença”. Somente pessoas doentes que acham que tudo que elas fazem não presta, que “o dos outros” é sempre melhor, que aquela pessoa é sempre mais bonita que ela, mesmo ela sendo linda sempre vai se achar um pobre vitima da sociedade que sempre quer algo melhor do que ela pode apresentar ou fazer.

Fala sério, quantas pessoas você não conhece que se fazem de vitima? Muitas né? Deixe ai nos comentários.

Pessoal, esse artigo foi para mostrar como nosso país ficou uma chatice do caramba!

Bons tempos aqueles onde as pessoas podiam brincar umas com as outras sem um patrulheiro de plantão para encher a paciência e, em alguns casos, levar até uma delegacia. A policia tem coisas muito mais importantes para se preocupar. Muita encheção de saco. Sociedade podre! Chata! O politicamente correto está acabando com as piadas, com aquelas brincadeiras outrora sadias, hoje viraram brincadeiras “provocativas”… que preguiça viu!

Hoje seria inimaginável um programa como Os Trapalhões, onde eles brincavam com todo mundo. Brincavam com negros, com mulheres, com gays, com crianças, enfim, com todos! E todo mundo chorava de rir e ninguém aparecia no outro dia se vitimizando de ter sido zoado por causa desse programa. O próprio Jô Soares, nos seus tempos de humorista, tinha um personagem gay no seu programa e ninguém criticava. Ao contrário, rendia muitas risadas!

São tempos que não voltam mais. A tendencia é, infelizmente, piorar… a porcaria do politicamente correto estragou tudo!

Em breve, um próximo artigo. Até lá!

Um blog que fala de política, que não tem rabo preso com partido algum e apenas transmite as noticias cotidianas da política nacional e internacional.
Todos os direitos reservados - 2014 - 2019