Se um pavão matar o veado, é considerado homofobia? | Politicos Do Brazil
Se um pavão matar o veado, é considerado homofobia?
Por admin
21/06/2019

Os últimos dias nesse país peculiar foram, para dizer o mínimo, esquisitos… bom, na verdade, não tem um dia nesse reino da balbúrdia que algo estranho não aconteça.

Vários são os motivos para alguns absurdos acontecerem aqui. Desde o descobrimento, que já foi uma porcaria, visto que ao invés de sermos descobertos pela elite europeia, tivemos portugueses miseráveis e ladroes vindo para cá. Além de roubarem nossas riquezas, para cá mandaram toda escória. Ou seja, tudo tem um motivo, nada é de graça.

Muitos séculos depois, a política é a grande caixa de demência que desnorteia toda nossa população. De Brasília ou até da pequena cidade de Quixeramobim, saem histórias escabrosas que arrepiam os cabelos de um careca e fazem sorrir de nervoso o maior banguela da família.

Isso posto, chegamos aos dias atuais…

Eu sempre gosto de enfatizar uma situação e não vou fugir disso nesse artigo.

Se você, leitor (a), não esteve em Liberland nas últimas semanas, deve ter ouvido falar ou lido em algum lugar a história envolvendo o site The IntercePT, David Miranda (deputado do PSOL), Glenn Greenwald, Jean Wyllys, Sergio Moro e Deltan Dallagnol.

Uma história que parece ter saído de algum filme de Boollywood. Vocês não leram errado. O enredo é tão estapafúrdio e ridículo, que lembra os filmes bizarros feitos no estúdio indiano e não aqueles filmes espetaculares feitos no EUA.

Só de ter Jean Wyllys no elenco, nenhum filme pode ser bom. Concordam? Ah, falando nisso, em breve deve sair um filme do moço. Coloque em sua agenda e não perca esse banho de cultura inútil.

Pois bem, voltando ao assunto do artigo…

A história, envolvendo todos os personagens citados acima, é a seguinte: o site The IntercePT, por meio de Glenn Greenwald, que é envolvido tanto com David Miranda (que herdou a vaga de deputado federal do Jean) e com o próprio Jean, divulgou nas mídias uma suposta conversa entre o ministro Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol. Nessa conversa, apontaram uma suposta vantagem que Moro, na época a frente da Lava Jato, teria dado a alguns criminosos da megaoperação policial. Levantaram a lebre de que Moro e Dallagnol estariam dando “vantagens” para alguns, sob o pretexto de deixarem de fora alguns investigados, não fazendo o mesmo com Luiz Inácio, inclusive os acusando de endurecer a investigação, até prender o cidadão, mesmo sem (pasmem!) provas.

É um delírio? Óbvio que é! E isso fica ainda mais evidente se puxarmos a capivara do site, David Miranda, Gleen e Jean Wyllys. Calma, você não precisa ir atrás do Google para isso, eu já fiz o trabalho. Acompanhem:

The IntercePT: o site esquerdista tem entre um de seus donos, além do próprio Greenwald, o bilionário Pierre Omidyar, fundador do eBay, dono de uma fortuna de inacreditáveis US$13,4 bilhões. Pierre, nascido na França e radicado no EUA, anunciou o site com um cheque de incríveis US$250 milhões, advindos de uma fundação chamada First Look Media. Alguém conhece? Nem eu.

Glenn Greenwald: como já dito anteriormente, o “jornalista” americano é um dos “donos” do site The IntercePT. Mas não é isso que o tornou famoso no Brasil. Antes desse acontecimento, ele já tinha sido notícia no mundo ao publicar no jornal inglês “The Guardian” os documentos vazados por Edward Snowden, o que lhe valeu o prêmio Pulitzer, o mais importante reconhecimento jornalístico do mundo.

David Miranda: até o sumiço voluntário de Jean Wyllys, ele nada mais era do que um vereador obscuro do Rio de Janeiro, com mandato pelo inexorável PSOL. Uma figura patética, que nada contribua para a política e muito menos para a sociedade brasileira. Mas eis que tudo mudou. Com a saída de Jean, o mandato de deputado federal desse passou para David. Imaginem o que um pobre coitado, sem escrúpulos, faria com a “fama” repentina? Nada que preste. Foi isso mesmo que Miranda fez e vem fazendo. Já atacou o presidente Bolsonaro, soltando absurdos e agora é um dos pilares de mais uma falácia. Vivendo com Glenn Greenwald desde 2005, já foi acusado de espionagem na Inglaterra, sendo considerada persona non grata na terra da Rainha.

Jean Wyllys: o ex BBB, que virou político de uma hora para outra, é uma das figuras mais bizarras de nossa sociedade. Vem enganado milhares de incautos a vários anos, se agarrando na ideia de ser um militante pelos direitos dos homossexuais, o que é uma mentira sem precedentes, pois ele não se preocupa com ninguém, a não ser consigo mesmo. É personagem de atitudes deploráveis, como a vez em que cuspiu no então deputado Bolsonaro, dentro da Câmara dos Deputados. Saiu ileso. Após a vitória de Bolsonaro para presidente, o cidadão se dizendo perseguido e com ameaças de morte, deixou o país, dando o lugar para o então vereador David Miranda. Muita gente, ignóbeis, acreditaram na mentira da perseguição. Mas a verdade finalmente veio à tona…

Surfando nessa onda falaciosa, envolvendo os personagens citados, o ministro Sergio Moro foi convocado a depor na CCJ do Senado. É só num país onde a banana come o macaco que, ao invés de chamar quem acusa, o chamado a depor é o acusado. As peripécias de um circo chamado Brazil. Todos os “inquisidores’” do ministro envolvidos na Lava Jato. Só que o ministro tirou de letra e deu um show. Como sempre.

Eu disse, no final da explanação sobre Jean Wyllys, que a verdade viria à tona. Pois é…

Nos últimos dias, um perfil no twitter chamado de Pavão Misterioso, divulgou várias informações comprometedoras envolvendo o site, Gleen, David e o próprio Jean Wyllys. Se essas informações são verdadeiras ou não, apenas uma investigação da Policia Federal poderá dizer.

As informações dão conta que tudo não passa de uma armadilha internacional, envolvendo até mesmo a Rússia (por isso Dilma e Gleisi foram ao país?), para degringolar a operação Lava Jato, fazendo com isso que Sergio Moro, Dallagnol e o próprio presidente Bolsonaro caiam em descrédito com a população brasileira. Só que aquilo que não mata, fortalece. Não é esse o ditado? Pois caiu como uma luva.

O perfil menciona ainda que Jean Wyllys não saiu do país por “medo” ou algo semelhante. Nada disso! O que consta nesse perfil é que Jean VENDEU o mandato para David Miranda. O valor é a bagatela de 700 mil dólares no ato e 10 mil dólares/mês para o ex BBB viver na Europa. Isso no mínimo é um escárnio. É um tapa na cara de brasileiros que vivem com salário mínimo no país. Esses mesmos brasileiros que David Miranda e Jean juravam defender das mazelas do país, prometendo às mesmas condições dignas de sobrevivência. É hipocrisia que chama, né?

Muitas coisas chamam atenção nessas histórias:

Por que politicos da esquerda afirmam taxativamente que a história envolvendo Moro e Dallagnol é verdade, mas ao mesmo tempo dizem que a história contada pelo perfil Pavão é mentira?

Por que chamaram Moro para depor, sendo que o correto seria chamar quem acusa? Afinal, o ônus da prova é de quem acusa, não de quem é acusado. Isso é básico.

Por que Jean Wyllys não deu um pio até agora? Logo ele, que mesmo “”exilado”, sempre falou pelos cotovelos?

Por que David Miranda chama de preconceito a maneira como a mídia fala de seu “amigo” Greenwald, mas em nenhum momento desmentiu as informações do perfil Pavão?

Por que, mesmo com especialistas dizendo que a conversa entre Moro e Dallagnol não tem nada de agravante, alguns veículos midiáticos insistem em dar crédito a um site notadamente esquerdista?

E por fim, por que tem tanta gente, que mesmo não estando com seu nome na Lava Jato, tem tanto interesse em desmantela a operação?

Eu enumerei algumas perguntas. Não creio que algum político de esquerda saberá responder. Espero isso de vocês, caríssimos (as) leitores (as) do blog. Vocês me ajudam?

O que se pode tirar dessa situação toda é a seguinte: o veado está morrendo de medo do pavão. Isso pode ser considerado homofobia? Deixem nos comentários.

Em breve, um próximo artigo. Até lá!

Um blog que fala de política, que não tem rabo preso com partido algum e apenas transmite as noticias cotidianas da política nacional e internacional.
Todos os direitos reservados - 2014 - 2019