Augusto Aras na PGR. E agora? | Politicos Do Brazil
Augusto Aras na PGR. E agora?
Por admin
06/09/2019

O dia de ontem (05/09/19) foi muito tenso.

O motivo era a escolha para a PGR (Procuradoria Geral da República) pelo presidente Jair Bolsonaro. Nas mãos dele, uma escolha importante, pois esse nome teria que estar alinhado com seu pensamento patriota e não deixar que a operação Lava Jato seja enfraquecida, algo que a outrora ocupante do cargo, Raquel Dodge, estava doidinha para fazer.

Como de costume, minha fonte de informação foi o twitter. Não dou muito crédito para algumas fontes, pois muitas estão impregnadas com a demência esquerdista e sinceramente, eu estou fugindo dessa gente.

Partindo dessa premissa, fiquei ligadão. Muitas conversas paralelas pedindo o nome de Ailton Benedito para o cargo. Outras tantas vetando o nome de um tal Augusto Aras, nome esse que sinceramente eu não sabia de quem se tratava.

Alguns veículos de comunicação, entre eles O Antagonista e SBT dando o furo do nome de Augusto Aras já escolhido para a tarefa. Mas no mesmo tempo o general Augusto Heleno, da equipe presidencial, dizendo que nada tinha sido definido ainda.

Pairava um clima de final de Copa do Mundo. Todos apreensivos pelo chute final que poderia dar o título ao Brasil. Ou não. Dependia muito do discernimento de cada um (a).

Chegando quase ao final, eis que o nome de Aras foi confirmado pelo próprio presidente.

Golaço? Chute torto?

Antes de mais nada, preciso dar algumas informações que, certamente, muita gente desconhece sobre a PGR, a tríplice lista da ANPR, sobre Aras e outros quetais.

A PGR ou Procuradoria Geral da República é um órgão governamental que é gerido pelo procurador. Ele é nomeado pelo presidente da República dentre integrantes da carreira com mais de 35 anos de idade e seu nome deve ser APROVADO pela maioria absoluta do Senado Federal, depois de uma espécie de sabatina. O procurador não é subordinado ao presidente e tem mandato de 2 anos, podendo ser reconduzido após esse período.

Como se pode notar, apesar de nomeado pelo presidente, ele não tem ingerência do mesmo e precisa OBRIGATORIAMENTE ser aceito pelos senadores, com pelo menos 41 votos, que perfaz a maioria absoluta, num total de 81 senadores. Detalhe: só o Senado pode destituir o mesmo.

A tríplice lista da ANPR iniciou-se em 2001. É um processo que atende ao clamor EXCLUSIVO dos procuradores da República, que indicam aqueles que acreditam serem os mais preparados para gerir a PGR. Somente com a inserção de Loolla a presidência em 2003 é que a escolha dos procuradores passou a ser importante para a escolha do novo PGR. Para os procuradores, o prestigio da tal lista é um passo político importante dentro da instituição por conferir um caráter “democrático” à escolha do novo Procurador Geral.

Agora vocês entendem como Raquel Dodge foi parar na PGR???

Só para meus leitores saberem, os nomes que estavam na lista enviada pela ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República) ao presidente são: Mário Bonsaglia, Luíza Frischeisen e Blaul Dalloul.

TODOS esses nomes tinham aval da esquerda. Eram bons nomes?

Para quem, como eu, não conheciam Augusto Aras e iam apenas pelas opiniões daqueles (as) que queriam o nome de Ailton Benedito, eis aqui um pequeno resumo:

Antônio Augusto Brandão Aras nasceu em Salvador no dia 4 de dezembro de 1958. É um advogado brasileiro, atual subprocurador-geral da República e professor da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília. É bacharel em Direito pela Universidade Católica de Salvador, mestre em direito econômico pela Universidade Federal da Bahia e doutor em direito constitucional pela Pontifica Universidade Católica de São Paulo. Leciona as disciplinas de direito eleitoral e direito privado na UnB. É membro do Ministério Público Federal desde 1987, tendo ingressado por concurso. É cristão.

Como se pode notar, é um nome extremamente preparado.

O que “pesa” contra seu nome é que teria em seu passado falas a favor do MST, contra a Lava Jato, elogiou um certo Che Guevara e é apoiado por Dias Toffoli, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre. Convenhamos são denúncias graves mesmo.

Porém a seu favor pesam que ele é a favor do voto impresso, a favor do pacote anticrime de Sergio Moro, quer destravar a economia, vai combater o crime organizado, vai levar a Laja Jato aos estados e municípios (finalmente), contra a ideologia de gênero e é contra o STF.

E aí, numa balança de prós e contras seu nome, qual vai pesar mais?

Numa entrevista recente, Aras já afirmou que se fosse favorável ao MST, estaria sentado numa cadeira do STF. Com uma pedrada, matou duas cobras.

Para quem ainda está decepcionado com a escolha de Aras e queria Ailton Benedito de qualquer jeito, uma informação relevante é que o escolhido já acenou que vai levar Benedito para sua equipe. Notaram algo? Eu explico: Aras precisará passar pelo crivo do Senado. Ailton Benedito não. Um entrando, o outro vai no vácuo. Ficou bom, não ficou?

O presidente já pediu um voto de confiança. Quem votou nele vai dar esse voto. Certo?

As conversas que teve com Aras deram a certeza de seu nome para o presidente e se ele deu esse voto de confiança para o senhor Augusto, então nossa missão é apoiar a decisão do presida.

Ah, quase ia me esquecendo. Várias vertentes da esquerda criticaram o nome de Aras. Além disso, a própria ANPR (reduto esquerdista de procuradores) também criticou o nome.

Pensem comigo: se a esquerda é contra, sinal que algo de bom tem nesse nome.

O que temos que fazer é apoiar. Sempre. O presidente precisa desse apoio.

Nunca se esqueçam pelo que ele passou. Até tentativa de assassinato. Agora que chegamos até aqui, com várias coisas boas feitas pela equipe do governo, vamos recuar por uma escolha que muita gente até ontem não sabia para que servia? Oras! Nada disso!

#EuConfioNoPresidente

Em breve, um próximo artigo. Até lá!

Um blog que fala de política, que não tem rabo preso com partido algum e apenas transmite as noticias cotidianas da política nacional e internacional.
Todos os direitos reservados - 2014 - 2019