Privatização: necessidade ou entreguismo? | Politicos Do Brazil
Privatização: necessidade ou entreguismo?
Por admin
30/09/2019

Algum tempo atrás eu fiz um artigo, onde eu pedia que o governo privatizasse TUDO, sem deixar nenhuma empresa estatal em pé.

Pois bem, nesse intervalo de tempo, eu recebi um texto do Pedro Junior, que faz parte dos colaboradores do blog, em que ele fez uma reflexão interessante. Sendo assim, eis que colocarei abaixo o artigo dele, ipsis literis, para apreciação de todos vocês.

Leiam. Um texto bem legal mesmo.

Se existe uma palavra que causa arrepios na esquerda, esta palavra é uma só: privatização. Basta falar nela que o pânico é generalizado.

A esquerda, como é, por natureza, defensora de um Estado gigantesco, sempre apregoa várias ladainhas contra a privatização. Algumas das mais conhecidas são estas:

“Vão entregar o nosso patrimônio ao grande capital”

“O governo está sendo um capacho do imperialismo americano”

“Quem vende as nossas estatais a grupos estrangeiros não respeita nossa soberania nacional”

“O presidente só governa para os ricos enquanto os pobres passam fome”

Alguns esquerdistas, porém, se esquecem de que foi no governo do PSDB (que, por sinal, é de esquerda) que as privatizações tiveram maior abrangência! Algumas das estatais privatizadas naquela mesma época foram: Telebrás, Usiminas, CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), e Vale do Rio Doce.

Na verdade, essas privatizações foram doações (isso mesmo, doações) do nosso patrimônio a preço de banana a grandes grupos que financiam a esquerda nacional e internacional. O caso mais escandaloso foi a privatização da Vale. Ela foi subavaliada (ou seja, foi vendida abaixo do preço que ela realmente valia). Há quem diga que a Vale foi doada a empresários esquerdistas ligados a grupos estrangeiros comandados por George Soros (grande especulador internacional).

Esses e outros detalhes sobre os escândalos das privatizações estão todos relatados no livro “A PRIVATARIA TUCANA” (do jornalista Amaury Ribeiro Jr). Curiosamente, o autor sofreu um atentado (e quase morre) certo tempo depois de ter publicado o seu livro (que, pelo jeito, deve ter incomodado muita gente grande envolvida nos mesmos escândalos)! Mera coincidência?

Os argumentos que os defensores das privatizações apresentam são estes:

“As estatais dão prejuízo”

“São cabides de emprego”

“A venda delas ajudaria a sanear as contas do governo”

Antes de falar mais sobre as privatizações, vamos derrubar estes argumentos.

  1. As estatais dão prejuízo

Ora, se uma empresa dá prejuízo, por que algum empresário particular iria se arriscar a comprá-la?

O que acontece, na verdade, é o seguinte: nos processos de privatização, o governo esquerdista seleciona as empresas que podem e as que não podem participar do leilão, sob critérios técnicos que eles mesmos inventam (critérios esses, a nosso ver, muito suspeitos)!

Nesses mesmos processos, só deixam entrar aqueles empresários que são dos grupos deles mesmos (que fazem parte da esquerda mundial). Uma das estatais privatizadas foi a Vale, que foi vendida (na verdade, DOADA) a preço de banana. Eis os detalhes aqui:

A verdade sobre a venda (doação) da Vale

A privatização da estatal das telecomunicações (Telebrás) foi a mais defendida pelos tucanos porque hoje temos celular, e liberação de linhas telefônicas convencionais com mais rapidez, etc e tal.

Só que esses defensores se esqueceram de um detalhe: desde 1998, quando privatizaram a Telebrás, todas as famílias têm pago essa maldita assinatura mensal, em vez de pagar somente os pulsos telefônicos que consumia. A alegação para a privatização é que demorava meses para se obter uma linha convencional, e se pagava mais de 3 mil reais (e diziam que pobre não podia ter telefone por causa disso).

O nome disso não é PREJUÍZO, como se a estatal desse prejuízo aos cofres públicos. O nome disso é INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO!

O dinheiro que as empresas de telecomunicações acumularam desde 1998 até hoje com as assinaturas mensais é que custeia a criação de novas linhas. E quem já tinha linha, ao longo desses anos todos, pagou sabe-se lá quantas novas linhas! Isso é injusto!

E é um ENGODO, que só os tucanos não enxergavam devido ao fanatismo religioso ou clubístico de idolatrar seus políticos tucanos.

Se o governo, em vez de privatizar, tivesse implantado o sistema de pagamento parcelado das linhas, o que aconteceria? A pessoa adquiria a linha, e ia pagando mensalmente pequenas parcelas, junto com o que consumia, e ao longo de 10 anos, estaria quite. É exatamente esse o sistema adotado pelas empresas de telecomunicação em alguns países.

Só que, ao invés de cobrar apenas o valor das pessoas que adquiriram novas linhas, eles cobravam assinaturas de TODOS os consumidores.  E é isso que os tucanalhas chamam de coisa MARAVILHOSA (mas é, na verdade, coisa de gente BURRA)!

Nem sabem que essas “teles” pertencem a grupos financeiros financiadores do esquerdismo no Brasil (e às pessoas ligadas ao PT, PSDB, e outros partidos esquerdistas). Essas privatizações nada mais foram do que um simples meio de transferir o controle da comunicação do Estado para os particulares esquerdistas.

Era perfeitamente possível modernizar sem precisar vender. Quando alegam que estatal dá prejuízo, isso quer dizer que O GOVERNO QUE DIZ ISSO É INCOMPETENTE. Não sabe gerir a coisa pública, e/ou faz errado de sacanagem, e dá nisso!

  1. São cabides de emprego

Para se ingressar numa estatal ou qualquer órgão público, é necessário ser CONCURSADO (isto é, admitido através de aprovação em concurso público)! Tanto que a própria Constituição diz claramente (Art. 37, inciso II): “A investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração”.

Cabide de emprego ocorre somente nos cargos em comissão e funções de confiança (através de indicação pelo gestor da estatal ou por algum político).

Se o governo que está no poder é quem manda, por que eles não demitem esses vagabundos dos cargos em comissão e funções de confiança em vez de vender a empresa?

Alegar que até os concursados são vagabundos não é válido como argumento, pois o estatuto dos servidores públicos contém leis que disciplinam como se deve proceder em caso de ineficiência destes.

Tem de EXONERAR quem for improdutivo, e demitir todos esses vagabundos em cargos de comissão e funções de confiança.

Feito isso, enxugando e saneando, mandando embora quem não presta, e colocando quem presta no lugar, eles poderiam ter resolvido o problema da Vale (em vez de tê-la vendido).

Venderam porque era de interesse deles mesmos, pois quem comprou foram empresários ligados aos mesmos políticos que venderam. Assim serve para todas as empresas, incluindo concessões de rodovias, portos, empresas de energia elétrica, bem como as empresas de tratamento de água.

Antes do PSDB, era tudo estatal e funcionavam. Bastou o PSDB assumir, que passaram a dar problema, e em seguida, para justificar o “interesse pela melhoria da qualidade” dos serviços, alegaram que vender seria a solução.

  1. A venda delas ajudaria a sanear as contas do governo

Mentira! A dívida interna pública não foi saneada pelos tucanos com as vendas das estatais. Muito pelo contrário: foi aumentada pelo PT nos últimos 8 anos de governo Lula.

Os tucanos não sanearam as contas do governo coisa nenhuma. Essas empresas que compraram as estatais são empresas ligadas aos mesmos grupos que sempre financiaram a esquerda nacional e internacional.

Tanto não sanearam as contas que tiveram que criar a maldita CPMF para cobrir os gastos com a saúde. Como o governo estava sem caixa, foi preciso cobrir o rombo com isso. Pois a grana da privatização, além de ser mixaria, ainda foi surrupiada (só Deus sabe no bolso de quem foi parar esse dinheiro)!

O problema das privatizações tucanas não foram as privatizações em si, mas a forma COMO fizeram as privatizações, PARA QUE fizeram, e, principalmente, PARA QUEM fizeram!

Essa acusação dos militantes petistas de que o PSDB traiu o Brasil e é contra os brasileiros é pura demagogia e estratégia eleitoreira e revolucionária de esquerda. Isso porque PT e PSDB são dois partidos que trabalham para o mesmo fim:  a implantação do socialismo no Brasil.

O PSDB assume o papel de “direita”, melhor dizendo, falsa direita; na verdade, eles (PSDB) são à “direita da esquerda”; e os petistas e demais marxistas são a esquerda da esquerda.

O PSDB faz o serviço sujo para essa organização marxista que criou ambos os partidos, e fica com fama de neoliberal, lacaio do grande capital, e faz o jogo da esquerda, que são eles mesmos, incluindo o PT.

E o PT usa isso como discurso ensaiado para condenar as privatizações, mas eles mesmos tem feito privatizações e concessões ao longo desses anos, desde 2003.

E vendem sempre para os mesmos grupos de empresários que fazem parte do mesmo grupo que criou esses dois partidos.

Entenderam agora?

Estão enganando o Brasil desde 1989 até hoje. O Lula, assim como o FHC, fez concessões das rodovias. O Lula entregou partes da Amazônia para os grileiros. Demarcou a Reserva Indígena Raposa Serra do Sol para exploradores internacionais levarem nosso Nióbio e nosso Urânio. Veja detalhes aqui:

A verdade sobre o Nióbio

E concedeu a exploração do petróleo do Pré-Sal, etc …

Sobre o Pré-Sal

Olha aqui como o PSDB e o PT fazem parte do mesmo esquema político esquerdista:

São iguais

Muito iguais

Muitos talvez até não concordem, mas, em relação às privatizações, eu vejo assim:

 

  • . Que algumas estatais são realmente deficitárias (e merecem ser privatizadas), isso é incontestável. De fato, não faz sentido ter uma estatal, que é mantida com dinheiro público (meu, seu, e de todo o povo que paga impostos), que não dá retorno financeiro. Em outras palavras: é um dinheiro que está sendo gasto inutilmente (e que poderia ser melhor aplicado em benefício da coletividade);

 

  • . Que é preciso diminuir o tamanho do Estado, isso não há como negar (até porque um Estado menor diminui a possibilidade de corrupção). Nas estatais, por exemplo, os escândalos de corrupção aconteciam quase que diariamente através dos esquerdistas que ocupavam cargos em comissão e funções de confiança. A Petrobrás quase quebrou nas mãos do PT e de outros esquerdistas (sem contar os roubos dos fundos de pensão de outras estatais). Não seria possível tal situação continuar!

Agora, não é por ser favorável às privatizações que se deve privatizar por privatizar. Em outras palavras: não é privatizar de qualquer jeito, ou seja, sem critérios (como foi no governo FHC). Tem que se analisar cuidadosamente caso a caso.

Além disso, também deve ser feito o seguinte:

 

1 – Extirpar TODOS os esquerdistas dos cargos em comissão, funções de confiança, e demais cargos de direção das estatais. Tais cargos devem ser preenchidos somente por funcionários concursados de carreira da própria estatal (e sem vinculação político-partidária);

 

2 – Obrigar todos os que saquearam as estatais a devolverem tudo que foi roubado, em valores atualizados e corrigidos com juros e correção monetária (inclusive com confisco do patrimônio particular dos criminosos e de seus cúmplices);

 

3 – Obrigar estes criminosos a ressarcirem integralmente os valores roubados dos fundos de pensão das estatais (como o Postalis), bem como condená-los à prisão perpétua inafiançável, sem progressão de pena, sem nenhum indulto ou direito;

 

4 – Manter somente as estatais que forem consideradas importantes ou estratégicas (analisar caso a caso quais estatais precisam ser realmente privatizadas). Quanto menor o tamanho do Estado, melhor!

E você, o que acha? Precisamos mesmo vender todas as estatais e enxugar o Estado ou vender sim, mas seguindo um critério rigoroso ou então não vender e deixar como está?

Em breve, um próximo artigo. Até lá!

Um blog que fala de política, que não tem rabo preso com partido algum e apenas transmite as noticias cotidianas da política nacional e internacional.
Todos os direitos reservados - 2014 - 2019